25 Outubro 2021
pt | en Contactos | Mapa do Site
Página Inicial » Newsletter
As areias têm vida - primeiros resultados da campanha a CORDECA Pereira D’Eça Versão para impressão Enviar por E-mail
03  Aluno de mestrado da Universidade de York (Reino Unido), realiza estágio de 2 meses com o MBe Lab na Estação de Biologia Marinha do Funchal.

Thomas Lopes Vieira, é aluno do presente plano de estudos do mestrado em ciência ambiental marinha da Universidade de York, Reino Unido. Thomas realiza na Madeira um curto estágio de 2 meses com o grupo MbeLab/ OOM, sediado na Estação de Biologia Marinha do Funchal. O aluno,  vem de uma região bastante diferente da Madeira, quer em termos do clima, da biodiversidade marinha quer na relação com o mar. De certa forma, os britânicos têm uma relação com o mar diferente da relação dos madeirenses com o mar. O mar oferece à Madeira uma maior identidade, cultura, e em termos económicos valor acrescentado com a pesca e o turismo.

Thomas desenvolve o seu trabalho no Mbe Lab sob a orientação de Cláudia Ribeiro e Pedro Neves, sendo este o seu quarto trabalho de pesquisa científica marinha no estrangeiro. Anteriormente, realizou outros trabalhos de pesquisa marinha em Chipre, Bahamas e Maldivas, mas neste estágio na Madeira, é a primeira vez que usa como língua de trabalho o Português. Na realidade, é a 1ª vez que desenvolve um trabalho de investigação no país onde nasceu, algo que considera importante e que lhe está a permitir ficar a conhecer projetos que estão a ser desenvolvidos em Portugal para o estudo de ecossistemas marinhos costeiros.

Thomas no seu estágio, está a colaborar no projeto de monitorização da criação de um recife artificial (RA) na ilha do Porto Santo, com o afundamento da Corveta Pereira D’Eça (CORDECA). A criação deste RA tem como objetivos aumentar a biodiversidade marinha no local do afundamento, principalmente ao nível das espécies com interesse comercial, bem como fomentar atividade de mergulho recreativo. O Thomas tem analisado as amostras de sedimento recolhidas na última campanha de monitorização da CORDECA, realizada em finais de junho de 2017. A sua análise consiste na triagem das amostras de sedimento para identificação e quantificação da macrofauna, bem como determinação da granulometria.

Nas amostras analisadas, encontrou vários organismos de macrofauna bentônica associada a estes sedimentos móveis. Numa primeira análise, poderá pensar-se que a infauna bentônica pode ter pouca importância, dado que os seus “habitantes” não são os mais carismáticos e não são visíveis à maioria dos mergulhadores. Thomas encontrou uma grande variedade de invertebrados – artrópodes, echinodermes, cnidários e anelídeos – que são a base das cadeias alimentares. Observou uma grande variedade de pequenos moluscos gastrópodes, anémonas actinídeos em fase larvar, ouríços-do-mar, os quais não ultrapassam alguns milímetros de comprimento. Na realidade, as amostras representavam um microcosmo com significativa diversidade e abundância, de um habitat sobre o qual a população tem pouco conhecimento, havendo a impressão de que os fundos arenosos são “desertos” sem vida.

Na sua pesquisa, Thomas encontrou espécies pertencentes a mais de 20 famílias e a 4 filos, com milhares de espécimes encontrados por amostra. Do material analisado, a amostra com maior biodiversidade foi a recolhida no local do afundamento da CORDECA. Mesmo antes da  análise estatística dos dados, os resultados obtidos mostram a importância da diversidade presente nos habitats marinhos costeiros formados por sedimentos móveis.

Adicionalmente Thomas participou noutras actividades na Estação de Biologia Marinha, nomeadamente no acompanhamento de algumas visitas de grupos de escolas e de ATL’s de Verão.

O Thomas deixa convosco uma citação sobre RA’s da Sylvia Earle, uma grande naturalista e defensora do ambiente marinho:

‘Like a shipwreck or a jetty, almost anything that forms a structure in the ocean, whether it is natural or artificial over time, collects life’

 

Galeria de Fotos

 

 

 

 

(Fotos de: direitos de autor "©";  Texto de: Thomas Lopes Vieira /MBeLab/OOM)

 

 

 

 
Mapa do Site | Sugestões | Condições de utilização | Privacidade | © 2021, Municipio do Funchal Facebook | RSS